CICERO PAULO: Ex-presidente do Cedoca desmente acusações


Nota Oficial
O ex-presidente do Centro de Excelência em Derivados de Carne e Leite da cidade de Sertânia (Cedoca), no Sertão do Moxotó, Cícero Paulo, vem através deste documento, desmentir as mentiras levianas e desmedidas do atual prefeito de Sertânia, que até agora nada fez a não ser achar que ainda está em campanha política. O prefeito busca a todo custo denegrir a imagem do gestor anterior, fantasiando e criando todos os dias mentiras para justificar sua incompetência.
Nunca existiu herança maldita, a herança maldita que conhecemos mesmo, foi a que foi deixada pela esposa do atual prefeito há quatro anos, a senhora Cleide Ferreira, quando não tínhamos sequer como pagar salários aos servidores e nem aos prestadores de serviços. Não é demais lembrar que a senhora Cleide Ferreira deixou dívidas, muitas dívidas, tendo hoje bens penhorados e processos na justiça devido a esses desmandos administrativos.
Quando assumimos o CEDOCA, o encontramos em uma situação caótica. Quase nada funcionava. Câmaras frias em estado precário o que ocasionava frequentes perdas de leite, o que nos custou muito para consertar, mas fizemos. O banco de frio, que é o coração da indústria, funcionava precariamente e precisava ser consertada desde a gestão da ex-prefeita Cleide Ferreira, ou seja, do governo anterior. Recebemos uma vistoria da ADAGRO Recife notificação sobre a precariedade do prédio, o qual estava fora do padrão exigido, obrigando-nos a fazer adequações e assim foi feito.
Outro fato de estarrecer é que naquela oportunidade constatamos que o CEDOCA não tinha registro de funcionamento numa total demonstração de irresponsabilidade da gestão da esposa do atual prefeito. Encontramos débitos no comércio, ninguém em Sertânia vendia mais ao CEDOCA, fizemos tudo para limpar o nome da autarquia suja por eles.
Quando assumimos o CEDOCA a folha de pagamento estava com três meses de atraso, ou seja, os funcionários estavam todo esse tempo sem receber, sem contar que os produtores de leite estavam com pagamentos atrasados. Ainda a pedido da ADAGRO, construímos de uma sala isolada para lavar as caixas de transporte de leite. Construímos e isolamos uma sala para receber os materiais de consumo, como embalagens do leite, material de limpeza, etc.
Buscamos construir um prédio que onde os funcionários pudessem lavar as notas para poder entrar no laticínio. Construímos uma a área de recepção do leite. Trocamos todas as luminárias internas do laticínio por outras adequadas e exigidas pelas normas da Adagro. Conseguimos o registro provisório de funcionamento do CEDOCA, que antes, na gestão deles funcionava de forma irregular. Construímos um novo prédio, compramos e instalamos novos equipamentos para funcionamento de um novo Banco de frios.
Hoje, ao contrário do que pregam, mentindo para população, coisa que sabem fazer bem, todos os equipamentos do Banco de frios e das duas Câmara frias são novos. O caminhão baú encontrava-se com o compartimento sem refrigerar, levamos para Recife onde consertamos a refrigeração e levamos para a ADAGRO para inspeção e liberação. Todos esses consertos foram feitos por exigência da Adagro, que só depois disso, liberou o certificado de funcionamento do CEDOCA, se não fizéssemos a Adagro fecharia aquela autarquia. Quanto ao caminhão, mandamos fazer o motor e quando nos foi repassado pela administração de Cleide Ferreira, o referido estava seriamente depreciado, com bateria sem funcionar e o motor batido, ao contrário deles, o entregamos em perfeito estado de conservação, melhor, só se for zero.
Quanto ao débito da previdência, foi adquirido na administração da então prefeita Cleide, esposa do atual prefeito. Mas, mesmo assim, fizemos o parcelamento e vínhamos pagando em dia, fizemos o parcelamento para tirar as certidões e participar de licitações. Participamos e vencemos a licitação da prefeitura de Sertânia para o fornecimento de produtos derivados do leite para a merenda escolar, coisa que nunca conseguiram fazer.
O CEDOCA tem muito a receber financeiramente. Faltam receber do governo do Estado as últimas três quinzenas de 2016 que cobrirá possíveis débitos, pois o valor é de R$ 68.197,14. Sem contar que ainda ficou dinheiro em caixa na conta do Banco do Brasil.
Está claro que esse negócio de fechar temporariamente o CEDOCA é para prejudicar a atual associação que tinha contrato com o Estado e é responsável por receber o dinheiro do leite pelo Estado, a ASVASERE, associação que é presidida por um sertaniense, talvez por o mesmo ser amigo do ex-prefeito Guga Lins.
Esta é a verdade sobre o CEDOCA, não existe e nunca existiu nenhuma maquiagem, o governo Guga Lins, bem como a nossa administração a frente daquela autarquia foi sempre pautada na transparência, não precisamos de mentiras, pois entendemos que para que haja harmonia em uma sociedade e para que o bem seja realmente compartilhado por todos, precisa-se apenas de homens honrados exercendo o poder.
Assessoria de Comunicação do diretório do PSDB de Sertânia
Tecnologia do Blogger.